Pessoas com resistência à insulina (“pré-diabéticos” e diabéticos do tipo 2) deveriam reduzir o carboidrato da sua alimentação diária – já que existe uma dificuldade grande do corpo em tirar a glicose de circulação e colocá-la dentro das células. Mas considerando que haverá alguma quantidade de carboidrato no dia (na forma de batata, arroz, aipim, feijão, banana ou seja lá qual alimento cada um prefere), qual seria o melhor momento para incluí-la? 🤔🤔🤔 Sem dúvidas logo após o treino! 💪🏃⛹🚴 Durante e logo após a realização de exercícios (principalmente aeróbico) existe uma melhora “aguda” da sensibilidade a insulina. Isso significa que as células musculares, mesmo de uma pessoa resistente a insulina, transitoriamente conseguem captar a glicose circulante com mais facilidade 👌😍 Por isso, se estamos falando de um pré-diabético ou diabético tipo 2, é bem inteligente priorizarmos esse momento para maior ingestão de carboidratos. Realmente acho que resistentes a insulina devem evitar farináceos e doces açucarados em geral, MASSS, se você já está numa dieta de baixo carboidrato e sente muita falta de pão ou cuscuz, por exemplo, esse seria o melhor momento para inserir esse tipo de alimento (com maior concentração bruta de carbo e/ou maior índice glicêmico) 🍚🍠🥖🌽🍌 “ahh, Paula… mas eu não treino! E agora?” 🤨 Comece a treinar!🤷 Estudos mostram que a melhora da sensibilidade a insulina é maior nas primeiras horas após o treino, e vai reduzindo a medida que as horas passam (aparentemente após 20h a resistência já está de volta com tudo!). Qual o recado que podemos tirar dessa história? Como você já deve saber: atividade física é aliada número 1 (assim como uma dieta low carb) de pessoas com resistência a insulina! Exercício regular a nível crônico pode melhorar a sensibilidade das células à insulina e portanto melhorar a sua relação com o consumo de carboidratos na dieta 😉

Referência: Effects of acute exercise and exercise training on insulin resistance. J Appl Physiol 93: 788–796, 2002.

Share This