Você curte queijo? Come de montão todos os dias?

Então seria legal você dar uma lida neste post que fala sobre o consumo de laticínios e seu efeito sobre sensação de saciedade.

Não estou defendendo de forma alguma que você pare, mas vale a pena pensar nas quantidades.

Se surgirem dúvidas, pode escrever ao final do post, na seção  de comentários, ok?

 

Laticínios e compulsão

Existe alguém que não goste? Eu não conheço. Pelo contrário, as pessoas tendem a ser fanáticas! E isso tem explicação!

Os laticínios em geral possuem proteínas que ao serem digeridas formam “peptídeos bioativos” (frações de proteína que exercem atividade biológica).

Uma das atividades desses peptídeos formados a partir da quebra da caseína é a ligação a receptores opioides que geram uma onda de prazer em nosso corpo ao serem ativados.

Em animais de experimentação já está claro que esses peptídeos levam ao aumento da ingestão alimentar, e não é difícil compreender o porquê, né? Tudo que dá muito prazer (por agir diretamente na ligação de receptores cerebrais, como é o caso dos receptores opioides e dos de dopamina), tende a nos levar ao consumo exagerado – é o que acontece também quando ingerimos açúcar e glúten, por exemplo.

Quanto mais ativamos esses receptores, maior o prazer, e em geral, maior o “vício”. 

Calma! Laticínios são diferentes de açúcar e farinha de trigo

Diferente do açúcar e derivados do trigo, que via de regra são fontes essencialmente de carboidratos, os queijos são fonte basicamente de proteínas e gorduras.

Talvez por esse motivo não conseguimos comer “um caminhão” deles, como faríamos com os guloseimas em geral – já que proteínas e gorduras contribuem bastante para saciedade.

Apesar de tudo isso, não precisamos banir os queijos da nossa rotina, muito pelo contrário, os laticínios integrais e principalmente os fermentados, têm mostrado ser de grande valor para a prevenção de doenças crônicas e para a manutenção da boa saúde de forma geral.

Para aqueles que não apresentam nenhum tipo de intolerância/alergia a esse produto, o consumo está “liberado”.

 

“Laticínios integrais, principalmente fermentados têm mostrado grande valor para a manutenção de uma boa saúde.”
O que fazer, então?

É importante apenas ter em mente que os tais peptídeos bioativos podem acabar nos induzindo a um consumo acima do recomendável!

Porcione o queijo antes de colocá-lo no prato, e se você sabe que é um(a) devorador deles, coloque como meta comer queijo em apenas uma refeição do dia – isso fará vc diminuir o consumo naturalmente.

Se curtiu este post, compartilhe nas redes sociais.

Receba em seu e-mail conteúdo exclusivo que vai te ajudar a perder peso sem neuras nem loucuras. Receitas, vídeos e dicas da Nutri Paula Mello.

0 comentários

Últimas Postagens

Comer maçã dá fome?

(Se você pensou: SIMMMM!) Descubra o que justifica o aumento da vontade de comer e como podemos incluir a fruta em nossa rotina sem maiores prejuízos! A primeira explicação, como você já deve saber, é que a maçã, assim como a maioria das frutas doces, é basicamente...

ler mais

Efeito Platô | Trecho do podcast com Senhor Tanquinho

Há alguns meses eu participei do podcast do Senhor Tanquinho. Para quem perdeu, confira aqui um excerto em que eu falo sobre o Efeito Platô e o link para o podcast completo (ao final do texto). Roney: Nós queremos saber: qual é a maior dúvida que você recebe, seja dos...

ler mais

Tudo sobre Jejum Intermitente

Em 2016 e 2017 a busca na internet pelos termos “jejum intermitente/ intermittent fasting” foi GIGANTESCA, o que mostra um interesse crescente sobre um tema que na verdade, já é bem antigo. O jejum tem sido usado como uma prática religiosa e médica há milhares de...

ler mais
Share This