Essa é a pergunta do milhão! Tenho certeza que você vai se surpreender com a resposta…

Mas tem que ler o post até o final pois é muito importante o que queremos dizer com “chocolate”.

Sim, isso pode causar confusão!

Leia e, se tiver dúvidas, escreva nos comentários. Se gostar da minha opinião, compartilhe o post nas redes sociais.

 

Vamos definir o que significa “chocolate”

Você pode estar pensando: “uai, mas é aquele que tem no supermercado, existe desde sempre”.

Calma, não é deste que estou falando.

Claro que estou falando de um chocolate com alto teor em cacau (pelo menos 70%), já que é dele (o cacau) que vem os principais benefícios dessa guloseima que tanto amamos.

A “barra de açúcar com essência de cacau” que vulgarmente conhecemos como “chocolate ao leite” não tem como ser vista como algo saudável para se ter na rotina, pois o teor de açúcar e gordura de má qualidade (gordura vegetal hidrogenada) são muito elevados, além do principal elemento fonte de antioxidantes (o cacau) estar em baixíssimas quantidades.

Para vocês terem uma ideia, em 25g (uma fileirinha) de chocolate ao leite temos 15g de açúcar, no 70% cacau temos em média 8g, enquanto no 85% temos em média 4,5g.

Por isso, eu indico aos meus pacientes que consumam na rotina até 20g do 85%.

Por que colocar no dia a dia?

Então, respondendo à pergunta principal do post, sim, você pode, desde que com teor de cacau acima de 70% e em quantidades moderadas (normalmente não passando de 20 gramas ao dia).

Falando dos benefícios dessa maravilha, já se tem muita evidência que o consumo rotineiro dos flavonoides presentes no cacau pode auxiliar na redução da pressão arterial, melhora da sensibilidade a insulina (nesses casos a utilização do cacau em pó em preparações ao longo do dia é ainda melhor que o consumo do chocolate, para minimizarmos ao máximo a presença do açúcar), diminuição discreta na susceptibilidade de oxidação do LDL (lembrem que é a LDL oxidada que leva à piora do risco cardiovascular) e aumento da capacidade antioxidante do corpo.

Esse conjunto de ações faz do chocolate amargo (de novo, mais de 70% de cacau) um bom alimento para ser usado como coadjuvante na melhora do risco cardiovascular.

“Lembre-se que os principais benefícios do chocolate amargo vêm do cacau! Então sempre que puder adicionar um pouco de cacau em pó no café, iogurte ou alguma outra preparação do seu dia, faça isso.”
Referências
  • Effects of chocolate, cocoa, and flavan-3-ols on cardiovascular health: a systematic review and meta-analysis of randomized trials – Am J Clin Nutr 2012.
  • Daily Consumption of a Dark Chocolate Containing Flavanols and Added Sterol Esters Affects Cardiovascular Risk Factors in a Normotensive Population with Elevated Cholesterol – J. Nutr. 2008.
  • Effects of cocoa powder and dark chocolate on LDL oxidative susceptibility and prostaglandin concentrations in humans – Am J Clin Nutr 2001.
Receba em seu e-mail conteúdo exclusivo que vai te ajudar a perder peso sem neuras nem loucuras. Receitas, vídeos e dicas da Nutri Paula Mello.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

Leite Faz Mal?

Boa parte da justificativa que existe na literatura científica para “condenar” o leite de vaca para o consumo humano baseia-se nas possíveis reações que o nosso corpo pode manifestar ao peptídeo beta-casomorphin-7 (BCM7) derivado da beta-caseína A1 (proteína presente...

ler mais

Tilápia assada em cama de legumes

Como prometido, aí vai a receita da Tilápia assada em cama de legumes. Delicioso, prático e já fica um prato completo com proteína + acompanhamentos. Ingredientes:⠀ 800g de filé de tilápia⠀ 1 limão⠀ 1 cebola grande ou 2 médias⠀ 2 tomates médios⠀ 2 cenouras médias⠀ 1...

ler mais
Share This